Grupo de muçulmanas contra Bolsonaro lança manifesto alegando intolerância religiosa
09/10/2018 11:49 em Novidades

Desde o último final de semana do mês passado, quando diversos grupos se manifestaram contra o presidenciável Jair Bolsonaro com a hashtag “Ele Não”, um em particular chamou atenção da mídia, especialmente do meio religioso, por se tratar de mulheres “muçulmanas contra o fascismo”.

Diferentemente de alguns países onde a religião oficial é o islamismo, o Brasil como Estado laico, ou seja, que não possui uma religião oficial, garante a plena liberdade religiosa de todos os segmentos. Ainda assim, o grupo “Muçulmanas contra o fascismo” alegou preocupação com uma suposta “onda de intolerância religiosa”.

“A gente vê como uma ameaça de não poder exercer a nossa religião”, disse a professora Nahid Shair, uma das integrantes da manifestação. “Eu uso véu e não quero deixar de usar. Não quero deixar a minha religião porque a maioria do Brasil é cristã. A Constituição me deu esse direito”.

Não há qualquer menção no plano de governo do candidato Jair Bolsonaro que inspire a exclusão da liberdade religiosa de outros segmentos. Mesmo assim, o grupo de Shair e o “Coletivo Muçulmanas e Muçulmanos Contra o Golpe”, além da “Mesquita Sumayyah Bint Khayyat” de São Paulo, assinaram uma “nota de repúdio” contra o presidenciável, segundo a Época.

“Uma nova onda de intolerância religiosa ganha ímpeto com o fanatismo de parte dos evangélicos neopentecostais, tendo como principais alvos as religiões de matriz africana”, diz um trecho do documento, associando diretamente o ativismo dos grupos que assinam a nota contra parte do segmento evangélico.

O documento ainda faz alusão à existência de “intolerância”, mesmo sem citar objetivamente casos concretos que provem tal acusação contra o segmento evangélico que apoia o candidato Jair Bolsonaro.

“Manifestamos o nosso mais profundo repúdio a todas as formas de intolerância que possam comprometer o convívio salutar dos cidadãos com todas as suas diferenças, sejam religiosas, de gênero, de cor ou de ideologia política”, diz outra parte do texto, segundo o Valor, também assinado curiosamente pelo “Fórum de Judeus Sionistas-Socialistas Pró-Palestina”.

COMENTÁRIOS
Comentário enviado com sucesso!
PUBLICIDADE